24 e exultando!

Desde que fiz vinte e quatro anos pela segunda vez estou exultando. Durante as férias de verão negociei com o Vincent dez dias só para mim. Foi o primeiro verão em que consegui não passar nem um diazinho na casa de campo dos sogros. O marido fez cara feia e achou minha atitude um pouco abusada, mas dei de ombros, depois de alguns anos de psicanálise já não sinto a menor necessidade de agradar a Chantal. A única parte ruim é que vou ficar sem histórias com a sogra para escrever…

Voltando aos meus dias de liberdade, aproveitei para viajar de carro pelo sul da França com uma amiga, mãe não de dois, mas de três rebentos. Fomos as duas livres, leves e soltas, sem maridos nem filhos, dando risadas e cantando alto estrada afora, no melhor estilo Thelma e Louise. Passamos alguns dias na casa de um amigo que eu não via há anos, apesar de ter muito carinho por ele, pois sempre me pareceu impossível visita-lo com Vincent. O amigo em questão vive com a cabeça em outras dimensões, mais elevadas que esta nossa aborrecida tridimensionalidade, e eu sequer consigo imaginá-lo tendo uma conversa com o ateu filósofo que tenho por marido. Durante três dias ele nos nutriu com comidinhas vegetarianas mágicas e mostrou as praias da região, ao mesmo tempo em que nos iniciava em medicinas indígenas brasileiras e explicava sobre horóscopo tibetano, cavaleiros templários, Maria Madalena e São Sebastião. 

Saí da sua caverna me sentindo plena e feliz, disposta a não perturbar este estado elevado durante o festival de cinema para o qual nos dirigimos em seguida. Minhas boas intenções não resistiram à primeira noite, quando vi já estava degustando a deliciosa aguardente de pera local e emendando celebrações oficiais do festival com festinhas clandestinas organizadas pelos jovens voluntários. Não tenho a impressão de ter abusado, mas mais de uma vez percebi, ao voltar para a barraca no meio da madrugada, em meio às vinhas e sob um céu absurdamente estrelado, que não caminhava em linha reta.

Esta foi a última viagem das férias. Depois voltaram as aulas, das crianças e minhas também, e fui obrigada a me enfiar nas burocracias, na organização do dia-a-dia, no conserto da máquina de secar e na luta contra os piolhos. A expectativa de outro festival de cinema, organizado por um grupo de amigos sul-americanos, foi meu farol durante este período entediante. Eu sabia que logo adiante haveria uma semana de alegrias incontidas e posso dizer que não me enganei, este segundo festival não deixou a desejar. O único problema foi ter que voltar para casa todas as noites.

Porque aqui em casa, quando eu chego, todo mundo acorda. Cinco e meia da manhã, me equilibrando para tirar os sapatos sem fazer barulho, sou surpreendida pelo Enzo: “Mamãe, tive um pesadelo horrível”. Com muito esforço o acompanho até sua cama e dou um beijinho amoroso, para em seguida ouvir Jasmim resmungar: “Não consigo dormir, minha cabeça está coçando”. Ensaio uma voz paciente e respondo que resolvemos isto amanhã. Me dirijo ao banheiro quando dou de cara com o marido no corredor: 

– “Que horas são?” – ele pergunta, meio dormindo. 

– “Umas duas” – minto sem muita convicção. 

Duas horas mais tarde, às sete e meia da manhã, já estou de pé preparando as crianças para a escola. Escovo os dentes do pequeno quando ele solta: “Mamãe, por que você estava escovando seus dentes no meio da madrugada?”. Ninguém merece… Mas o pior ainda estava por vir. Jasmim, que de hábito mal se despede e sai correndo para atravessar o portão da escola sozinha, justo neste dia decidiu que não apenas queria que eu a acompanhasse até a sala de aula, mas também que eu conversasse com a professora. E eu, como não ouso desobedece-la, executei… Foi um dos momentos mais embaraçosos da minha vida, de pé ali, entre a bebedeira e a ressaca, tentando pensar num assunto que justificasse minha presença na sala de aula enquanto Jasmim olhava para a cena com um risinho mal disfarçado nos lábios. 

Não me desmoralizei, para compensar no dia seguinte cheguei às seis da manhã! Mas ainda bem que o festival acabou, exultar e cuidar de dois filhos não é mole quando se tem vinte e quatro pela segunda vez.

2 Comments

  1. Flavia diz:

    Uma vida cheia e divertida! 🙂 adorei! Quando eles crescerem esses dias caóticos vão deixar muita saudade!

    Liked by 1 person

    1. Nina Said diz:

      Obrigada querida 🥰 você tem razão, acho que um dia vou sentir falta de toda esta confusão!

      Gostar

Deixe um Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s